Tag: Conhecendo novos leitores

Esse é um post bem aleatório mesmo, achei essa tag fuçando os posts lá do Janela de Sorrisos, blog da Thaís e resolvi responder porque acho essas tags super amorzinhas. 

As regras:
  • Agradecer a indicação, colocando o nome e o blog da pessoa que te indicou.
  • Responder às perguntas abaixo.
  • Indicar até 10 blogueiros para responderem a TAG.
  • Avisá-los do convite.
  • Formular 10 perguntas para eles responderem.
  • Deixar o link da TAG respondida nos comentários.
Respostas:
1. Em que ano e por que criou o blog?
Esse blog foi criado em Fevereiro desse ano por indicação do meu psicólogo. Eu já tive blogs antes há uns 7/8 anos mas acabei deixando pra lá mas quando me foi indicado escrever pra desabafar ou só falar sobre coisas que eu gosto sem guardar só pra mim acabei resolvendo voltar a ter blog.

2. Quando começou a se interessar pelo ato de escrever?
Desde quase sempre, eu acho. Quando eu tinha quatro anos e tinha recém aprendido a ler e escrever, minha mãe, pra me ajudar a desenvolver essas habilidades, me fazia ler vários livros, marcar as minhas partes favoritas e depois passar tudo pra um caderninho especial só pra esses trechinhos. Com o tempo ela foi me incentivando a criar minhas próprias histórias e anotar tudo aquilo que eu acho que é importante pra mim.

3. Qual seu gênero de livros preferidos?
Fantasia e ficção científica

4. E de música?
Depende de onde eu estou e o que estou fazendo

5. O que compõe um dia perfeito para você?
Um dia livre de faculdade e trabalho onde eu posso ficar deitada com minhas gatas pertinho de mim.

6. Se você pudesse criar algo ainda não inventado e que seria útil para todos, o que criaria?
Bem sonhador da minha parte mas eu inventaria uma espécie de cura universal para todas as doenças.

7. Do que você sente saudade?
Da minha infância.

8. Qual país gostaria de conhecer? Por quê?
Austrália, por causa da fauna marinha. Eu sou louca pra estudar a biodiversidade das águas daquele lugar. Já viu quanto bichinho incomum você encontra por lá?

9. Qual sua comida preferida?
A que a minha mãe faz, não importa o que seja. Que cozinheira maravilhosa é essa mulher ♥

10. O que você faz para se livrar do tédio em um feriado chuvoso?
Se eu não tiver nenhuma matéria acumulada, só durmo.

Perguntas:
1. Se você puder descrever seu dia com a letra de uma música, que música seria?
2. Qual seu livro favorito?
3. Você mudaria alguma coisa sobre você?
4. O que você mais ama sobre o lugar onde mora?
5. Tem bichinho de estimação?
6. É melhor ser sonhador ou realista?
7. "Mais vale um pássaro na mão do que dois voando". Concorda?
8. Já pensou em fugir de casa quando era criança? Qual era o plano?
9. Você é uma pessoa bagunceira ou organizada?
10. Já abraçou quem é importante pra você hoje?

A Thaís deixou essa tag em aberto e nesse quesito eu vou fazer o mesmo mas é porque não conheço quase ninguém por aqui pra indicar. Fiquem à vontade e me avisem se responderem. Até a próxima.

Ser Hannah Baker não te exclui de ser um porquê também!

 

Recentemente saiu na Netflix a série 13 Reasons Why (br: Os 13 Porquês), uma adaptação do livro de mesmo nome do autor Jay Asher, publicado em 2007. Acho que essa foi a primeira vez em que eu fiquei receosa de ver uma adaptação e vou dizer o motivo. 

"Uma caixa de sapatos é enviada para Clay (Dylan Minnette) por Hannah (Katheriine Langford), sua amiga e paixão platônica secreta de escola. O jovem se surpreende ao ver o remetente, pois Hannah acabara de se suicidar. Dentro da caixa, há várias fitas cassete, onde a jovem lista os 13 motivos que a levaram a interromper sua vida - além de instruções para elas serem passadas entre os demais envolvidos."

Li o livro em 2015 e fiquei realmente abalada com ele. Não é apenas sobre o suicídio de uma garota, é sobre agressões diárias sofridas na escola, sobre procurar ajuda e ninguém levar seu pedido à sério, é sobre até onde os limites psicológicos de alguém podem estender-se. Coisas que, infelizmente, eu estou bem familiarizada. A série me trouxe todos esses sentimentos de volta e acabou sendo bem doloroso enfrentar isso outra vez, embora não tão forte como antes.


Além de me trazer todas esses pensamentos e toda essa identificação com a Hannah, a série me fez refletir profundamente sofre os personagens que foram a razão de seu suicídio. Me monstrou que eu também posso ser um porquê. Sou um porquê de alguém quando rio de alguma piada que fizeram com esse alguém. Sou o porquê de outro alguém quando faço algo ruim para essa pessoa, não importa se foi algo que outros diriam ser "simples". Também sou um porquê quando vejo alguém sendo agredido de qualquer que seja a forma e não faço nada para impedir. E essa é a pior parte. Como alguém que sabe o que ser uma "Hannah" é horrível perceber que não me importei o suficiente com o outra pessoa que também conhece a sensação e me tornei um daqueles que me fizeram mal.

Fire hair + ser modelo


 Mais ou menos um mês atrás uma amiga me indicou pra ser modelo de cabelo em um workshop de cabeleleiros aqui em Fortaleza. Eu, que já era mais acostumada a ter o cabelo nos tons de azul/roxo/verde/rosa fui questionada sobre pintar de cores quentes e, como uma mudança é sempre bem vinda, topei na hora. O proposto era fazer esse estilo "fogo" no cabelo usando vermelho, laranja e amarelo. Essa técnica deu um trabalhinho pra fazer, principalmente porque meu cabelo tinha resquícios de roxo e rosa (pra quem também pinta sabe que o rosa é um inferno pra sair e nem sequer sai todo), então tinha todo o processo de limpeza de cor antes de tudo mas o resultado ficou maravilhoso. A melhor parte é que esse cabelo brilha (SIM!) na luz negra e nela dá pra ver o efeito "fogo" perfeitamente já que o amarelo destaca mais. Então sim, talvez eu mantenha essas cores até desbotar tudo porque tô bem apaixonadinha.


Outra experiência que eu tive foi a de modelar para fotos e vídeo para divulgação nas redes sociais. Entendam que, com minha ausência de beleza facial eu definitivamente nunca fui vista como modelo em potencial e com meus vários problemas de autoestima, eu nunca nem pensei em ser uma. Porém, eu topei essa vez e, apesar de ter o hábito de procurar todos os meus defeitos nas fotos e não conseguir focar em outra coisa além deles, até que eu consigo achar essas fotos bonitas. O que importa mesmo é meu cabelim de fogo fofo né mores.

Cabelo e fotos por:

Tintas usadas da marca